Você está em
NOTÍCIAS

Estudo aponta que Porto Seco de Santo Antonio do Sudoeste é viável

Lideranças de Santo Antonio do Sudoeste receberam na tarde da última quarta-feira (25) o Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica - EVTE para a implantação da Estação Aduaneira de Interior – EADI, o Porto Seco. O Estudo feito pelo Sebrae/PR traz todos os indicadores técnico e financeiros que apontam a “imprescindibilidade da implantaçãNP6A3506o dessa unidade de porto para todo a região do sudoeste do Paraná”.

No EVTE, que foi coordenado pelo consultor do Sebrae Naido Vedana, são abordados importantes dados sobre a região, corredores logísticos, volumes de importação e exportação, fluxos de caminhões e empresas do setor instaladas na região. “As características e condições estruturais tornam Santo Antonio do Sudoeste um ponto estratégico para um porto seco, seja pela sua localização, na fronteira com a Argentina e junto, bem como, junto a um dos principais corredores de escoamento da produção no país, a BR 163”, destacou Vedana.

Para o prefeito Zelírio Peron Ferrari, o estudo mostrou que o Porto Seco é viável e será responsável para impulsionar o desenvolvimento e a integração na região de fronteira, já que os indicativos apontam para a possibilidade de instalação de cerca de 45 novas empresas ligadas ao setor, gerando mais de 200 empregos, movimentando cerca de R$ 70 milhões de reais em faturamento e R$ 15 milhões em tributos. “O nosso Porto Seco é viável, pois no estudo, além da geração de oportunidades com a vinda de novas empresas, novos empregos, movimentação do comércio local, vai ampliar a arrecadação para o Estado, e será importante para a Codapar e para os municípios da fronteira”, afirmou.

O gerente do Sebrae/PR, Regional Sul, Cesar Giovani Colini, destacou que o Sudoeste do Paraná é uma das regiões com maior expressão no comércio exterior, fator que impulsiona a efetivação do Porto Seco de Santo Antonio do Sudoeste. “Dos 42 municípios que integram o Sudoeste, em 29 deles tem operações de comércio exterior, ou seja, praticamente 70% dependem de portos para praticar suas atividades empresariais”, afirmou Colini.

Após a apresentação do EVTE, as lideranças se reuniram para definir os próximos passos, que prevê a solicitação da permissão junto à Receita Federal do Brasil para que a Codapar e o Município administrem o Porto Seco. “Agora vamos juntar todas as documentações e manifestações de apoio e de interesse das empresas que poderiam passar por este porto seco, e protocolar junto a Inspetoria da Receita Federal a nossa intenção de operar essa EADI aqui”, disse o Diretor Técnico Operacional da Codapar, Sinval Tadeu Amaral Reis.

O Porto Seco é um terminal alfandegário de uso público, localizado em uma zona terrestre. O local oferece serviços de desembaraço, entrepostagem, desova, movimentação de contêineres e mercadorias em geral, destinadas à importação ou exportação.

O evento foi acompanhado por lideranças do território que compreende o Núcleo de Santo Antonio do Sudoeste – San Antonio, Pranchita e Pérola D’Oeste –, consultores do Sebrae/PR, da Codapar e empresários do setor.

ASCOM